Seguidores

Pesquisar neste blogue

Vigilante - Arcade Review - Por: Old Game Master:

Loading...

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

SNATCHER - SEGA CD - REVIEW

SNATCHER - O FILME BLADE RUNNER SEGUNDO HIDEO KOJIMA
Por: Old Game Master

A AMEAÇA A TODA RAÇA HUMANA GANHOU UM NOVO NOME: SNATCHER...

A genialidade de Hideo Kojima no mundo dos videogames foi reconhecida mundialmente graças á uma de suas primeiras criações: Metal Gear (que inclusive é relembrado neste jogo). Mas tanta fama por uma única produção, acaba ofuscando outras criações igualmente importantes e de carater genial, e uma delas sem dúvida é: Snatcher.

A sétima arte, sempre foi uma das paixões de Kojima, mas em uma época em que as conversões de grande sucessos do cinema deixavam a desejar, hora por seus gráfico e outras vezes por uma mecânica de jogo pobre e pouco eficiente, nem sempre apostar nestes jogos era uma garantia de sucesso. Mas o produtor foi obstinado, e na criação de Snatcher, incorporou elementos existentes de um sucesso aclamado pelo grande público através de sua visão e linguagem totalmente originais.

Kojima mostrou também em Snatcher, que o público gamer estava preparado e maduro o bastante para uma história forte e adulta. Muitos jogadores já haviam crescido, e era preciso apostar em um mercado para estes jogadores nos consoles domésticos, coisa que os PCs já estavam fazendo á um bom tempo. Snatcher então veio no momento e hora certa para suprir a carência destes jogos e consequentemente deste público.

Neste Adventure baseado no universo Cyberpunk, o jogador encontrará uma atmosfera muito familiar ao filme: Blade Runner -O Caçador de Andróides ( Produção de Ridley Scott de 1982). Snatcher mostra Neo Kobe, uma cidade futurista e seus contrastes entre: a alta tecnologia das grandes corporações, armamentos nucleares, armas biológicas se voltando contra os seres humanos e toda a esperança em um herói sem memória mas estranhamente ligado com o seu inimigo em comum. Tudo isso com elementos eletrizantes como: ação, traição, reviravoltas e um pouco de romance. Se existisse um Óscar para os videogames, Snatcher com certeza ganharia algumas estatuetas.

O jogo tem uma trajetória em vários consoles como:NEC PC -8801 e MSX2 em 1988, passando pelo Playstation e Sega Saturn em 1996 e claro a versão que iremos fazer este review e que com certeza ficou mais conhecida pelo público ocidental a do Sega/Mega CD em 1994.Pois foi a única versão que ganhou uma tradução para o inglês.

Direto do futuro, com diversão do passado sempre presente, como vocês: Snatcher.

A TRAMA DE SNATCHER:

Em 6 de junho de 1996 (1991 nas versões japonesas) , uma arma química conhecida como Lucifer-Alpha em pelno desenvolvimento em: Chernoton, Rússia (seria uma referência a Chernobil), é lançada na atmosfera de Terra, resultando na morte de 80% da população da Eurásia e do Leste Europeu que, por sua vez, resulta na morte de metade da população do mundo. A área contaminada se torna inabitável por uma década, quando a mutação de Lucifer-Alpha parece ter sido controlada para uma forma não-letal, a humanidade pode começara a avaliar os estragos ocasionados pelo evento. Este trágico acontecimento ficaria registrado na história como "Catástrofe".

Na imagem acima podemos conferir o estranho aparecimento dos bio andróides conhecidos como Snatchers em Neo Kobe City.

Cinqüenta anos mais tarde, uma raça de formas de vida artificial ou bioroids conhecida como "SNATCHERS"(lit. Ladrões de...) começaram a aparecer na ilha artificial de Neo Kobe City, matando as suas vítimas e tomando seu lugar na sociedade. Ninguém sabe exatamente o que eles são ou de onde eles vieram. Gillian Seed, um investigador e agente de uma força-tarefa Anti-Snatcher chamada: JUNKER é designado para investigar e descobrir a origem destas formas de vida artificial, a busca de Seed acaba se tornando sua busca pessoal por resposta, já que o protagonista da história não lembra muita coisa sobre o seu passado, mas no decorrer dos eventos acaba descobrindo certa ligação com os Snatchers.

Acima e ao centro podemos conferir o complexo sistema dos Snatchers, Seed terá que enfrentar muitos ao longo do jogo, e a batalha não será nada fácil.

GAMEPLAY (JOGABILIDADE):

Agora que conhecemos a trama por detrás de Snatcher, muitos de vocês devem estar se perguntando como funciona a jogabilidade.Primeiramente o jogo, é um aventure gráfico de perspectiva em primeira pessoa com elementos de shooters (jogos de tiro) igualmente em primeira pessoa. A preocupação de Kojima na concepção do jogo, era agradar dois públicos distintos: Os jogadores que gostam de exploração e resolução de puzzles como aqueles que gostam de uma boa ação e reflexos rápidos dos jogos de tiro.

A primeira vista, o jogo para Sega CD pode complicar um pouco por um fato. Os diálogos entre os personagens são falados, com direito a tons de vozes expressivos (raiva, susto e etc) além calor de algumas expressões faciais e animações, o que pode desencorajar um pouco é a ausência de legendas, mas para aqueles que tem este tipo de preocupação, a navegação entre os menus de conversação é simples e direta, ou seja: Todas as perguntas e ações de Seed no jogo através das escolhas nos menus levam a ações óbvias que impedem que o jogador fique perdido ou preso em uma determinada parte.

Acima temos um exemplo de como os menus de conversação funcionam. Cada escolha abre um outro menu com 3 ou mais opções de ações. Cada opção pode te passar informações sobre o jogo, sobre o próximo passo ou fazer com que Seed avance para uma outra cena. Esteja sempre familiarizado com estes menus e tente cada possibilidade no jogo.

Nas cenas de confronto com os inimigos, a ação fica ainda mais óbvia, já que o jogo tem um sistema em que pede para o jogador manter a sua arma já a punho, além de aconselhar que o mesmo salve seu progresso antes da cena, isso é muito útil principalmente por que ele não terá que voltar toda a ação até aquele ponto. A mira move-se nas quatro direcções básicas do controle além das diagonais, porém é preciso rapidez e reflexos para os tiros.

Acima e ao centro podemos conferir a Combat Screen de Snatcher. Mesmo que os críticos mais exigentes não tenham gostado muito das demarcações da tela, a necessidade destas demarcações aumentam a precisaõ dos tiros dos jogadores, pois oferece uma nítida noção de onde atirar conforme e movimentação do inimigo na tela.

Complementando o quesito de jogabilidade de Snatcher não podemos deixar de analisar o quanto a trilha sonoro do jogo contribui de forma espetacular neste sentido.Conforme o jogador avança na exploração de certos locais, mesmo para o mais desatento dos jogadores, um efeito sonoro sempre irá acusar que no local existe algo para ser investigado, isso chama a atenção do jogador na busca de qualquer detalhe diferente na tela. Outro fato que torna a jogabilidade de Snatcher emocionante, é como a trilha sonora em determinados momentos do jogo proporciona um clima de tensão e aumento na adrenalina na hora de um confronto.

Isso quebra aquele antigo paradigma de que os Adventures gráficos são chatos e monótnos na sua jogabilidade. Sem dúvida, Hideo Kojima juntamente com a Konami, pensou em todos estes detalhes, proporcionando um excelente jogo e corrigindo antigas lacunas.

Mas se depois de tudo isso, ainda não estiverem convencidos sobre Snatcher, vejam o que espera por cada um de vocês no intrigante e perigoso mundo de Neo Kobe City:

Assassinatos, Imagens fortes, Violência e Sexísmo, este são apenas alguns dos vários ingredientes que o jogador encontrará em Snatcher.

Apesar de todo sensacionalismo gráfico, das imagens fortes e chocantes. Snatcher é um jogo que transporta o jogador á uma investigação cheia de reviravoltas e elementos surpreendentes, que em sua época e até então era sem precedentes. Se não fosse pela versão do Sega CD, talvez este jogo ficaria virtualmente desconhecido ou restrito á apenas poucos jogadores.

De sua época no MSX2, passando também pelo PC Engine CD e chegando finalmente a esta versão, o jogo passou por transformações e melhorias: gráficas, sonoras e jogabilidade. O que nunca vou compreender é o por que a versão Sega CD recebeu críticas tão pesadas á ponto até de justificar o por que as versões para Saturn e Playstation não foram lançadas no ocidente.

Ironicamente, Blade Runner ( que foi a obra que inspirou Snatcher) não foi um sucesso de público e de críticas quando lançado em 1982. Mas com o passar dos anos e décadas, é apontado como um "cult-movie" aclamado e respeitado. Creio que o mesmo podemos dizer de Snatcher como jogo, que cumpriu seu papel de maneira exemplar no Sega Cd.

Isso também mostrará a todas as gerações de gamers,que Hideo Kojima não brilhou apenas com Metal Gear, além de Snatcher ele repetiria a dose com um título chamado: Policenauts... Mas isso já é uma outra História.

A CONTROVERSA VERSÃO SEGA CD: DETALHES SOBRE A VERSÃO AMERICANA DE SNATCHER

Passados muitos anos e diferentes versões do jogo para diferentes plataformas, muitas histórias e muitos fatos á respeito de Snatcher acabaram vindo á tona anos depois do jogo, até por que, a versão Sega CD de Snatcher deu muito o que falar, e por muito pouco o jogo não saiu e a história poderia ter sido outra.

Naquele período em que a Nintendo estava naquele impasse sobre criar ou não uma videogame com mídia em CD, Snatcher foi um dos títulos cogitados para o chamado Snes CD, mas a idéia foi descartada e desmentida pela empresa, principalmente por sua larga "tradição familiar em seus jogos". A Sega então aproveitou-se do fato e resolveu abraçar a idéia de Snatcher, mas mesmo a Sega sendo um pouco mais "liberal" nem ela mesma sabia o tamanho da encrenca que estava nas mãos.

A versão para o Sega CD foi portada diretamente da versão PC Engine CD no Japão. Todo o script do jogo doi traduzido por: Scott T. Hards juntamente com Jeremy Blaunstein ( este último seria o responsavél pela tradução ocidental de Metal Gear Solid). Muito do Script Original teve que ser mudado e "açucarado" devido a linguagem adulta existente no jogo, assim como alguns detalhes á mais. O Jogo ainda teve que passar por testes para lançar com o: Justifier Light Gun ( um periférico de tiro para o Sega CD) o que deu um pouco mais de trabalho a esta versão.

Uma das mudanças feitas no jogo para não assustar o público ocidental, foi a mudança de idade da personagem Katrina, que protagoniza algumas cenas "ousadas" no jogo. A idade passou de 14 á 18 anos. Uma cena em que ela esta toamndo uma ducha e ela aparece com os seios descobertos assustada com o corpo de um Snatcher morto foi refeita e censurada na versão Sega CD. O mesmo quanto a cena de um cachorro agonizante e com os orgão internos expostos, teve que também ser refeita.

Uma cena da versão PC Engine, que é muito peculiar, acontece no: Night Club Outer Heaven (Já ouviram este nome em algum lugar?) neste local e na cena onde Isabella esta dançando, uma paródia com vários personagens de filmes de ficção cientifica aparecem na imagem, a Konami então temendo probelmas com direitos autorais, resolveu mudar esta cena e incorporar personagens de sua franquia.

Acima e ao centro, podemos conferir a imagem superior da versão PC Engine CD com os vários personagens famosos de filmes de ficção cientifica. Mais abaixo, a saída encontrada pela Konami, usar personagens de sua própria franquia e de outros jogos.

Até mesmo a forma cibernética dos Snatchers teve que ser mudada e redesenhada para não parecer com os robôs do filme: Exterminador do Futuro (Terminator) algumas partes do corpo destas maquinas foram mudadas para cor verde oliva, assim como a cor dos olhos passou de vermelho para verde.

A Konami atribuiu as poucas vendas da versão ocidental de Snatcher, á uma péssima campanha da Sega em cima do jogo. Dois anos mais tarde, o Sega Saturn lançou uma versão de Snatcher á seu console, irônicamente esta versão não ganhou uma versão ocidental ( teria sido birra da Konami quanto ao ocorrido?). O mais estranho é que indiretamente isto também afetou a Sony que não lançou uma versão ocidental de Snatcher, mesmo com o sucesso de seu console e alguns jogos orientais no ocidente.

SEMELHANÇAS ENTRE: BLADE RUNNER E SNATCHER:

Los Angeles/Neo Kobe City:

A Los Angles de Blade Runner comparada com a imagem de Neo Kobe City de Snatcher tem muitos pontos em comum: A poluição, os prédios, as luzes e principalmente o neon de algumas construções ( em Blade Runner até alguns guarda chuvas eram feitos de neon).

Police HQ / Junker HQ:

O Distrito policial que Deckard é levado no começo do filme Blade Runner, tem uma forte semelhança com o quartel general da J.U.N.K.E.R..

Spinners / Turbocycles:

Os veículos Spinners do filme Blade Runner inspiraram os Turbocycles de Snatcher, até o modo de propulsão dos dois veículos são idênticos.

Rick Deckard / Gillian Seed:

A semelhança entre os personagens Gillian Seed (personagem mais á esquerda) e Rick Deckard (Centro) não estão somente nos trajes, mas também na pose em que ambos estão nas ilustrações. Na Ilustração mais á direita, usada na Box Art do Sega CD o artista responsável pela trabalho e concepção mais realista de Gillian Seed foi Yuji Kaida (Famoso artista e lustrador japonês que marcou presença em: Godzilla,Gundan,Macross,Platabor, Tomy's Zoids e mais recente em Transformers 2).

Bladerunners / Runners

No jogo os "Junkers"que devem caçar e elminar os Snatchers são chamados de Runners. Eta talvez seja a referência mais direta e escancarada com Blade Runner.

Snake's Scale:

No decorrer do jogo enquanto Seed esta investigando uma banheira onde foi encontrado o corpo de um dos Snatchers, Metal Gera pergunta: "Você esta procurando uma escama de cobra?"Esta é outra referência direta á Blade Runner, já que Deckard no filme encontra uma escama de cobra em uma banheira onde um replicante estava. Indo ainda mais longe, é um tanto irônico Metal Gear, sendo referência á um outro jogo de Hideo Kojima perguntar algo relacionado á cobras...

Ridley Scott/ Ridley Scotty:

Durante o jogo outra referência direta á Blade Runner, desta vez ao nome do diretor do filme, é a pessoa que encontra Isabella Velvet, cujo nome é Ridley Scotty.

VideoPhones:

No jogo: Metal Gear o pequeno robô ajudante de Seed, foi uma referência direta ao jogo de Hideo Kojima com o mesmo nome,uma das funções deste robô é uma unidade móvel de vídeo fonia (videophone). Um detalhe que relembra também Blade Runner inclusive o mesmo número utilizado no filme é utilizado no jogo, esse detalhe passou virtualmente desapercebido aos fãs, pois á associação ao esquema de comunicação do jogo Metal Gear fazia uso de números e frequências de comunicação. A Konami soube copiar este detalhe e disfarçar com aquilo que já havia utilizado em outro jogo.

Elimination:

Um outro detalhe um tanto bizarro vindo de Blade Runner e incorporado á trama de Snatcher foi a morte de Freddie Neilson por Randon em Snatcher em circunstâncias semelhantes á de Leon por Rachael em Blade Runner. Em que o assassino acaba assassinando um dos seus para manter as aparências ou como queima de arquivo, no caso de Random sendo um Snatcher e Rachael sendo uma replicante.


FONTE: THE SNATCHER EXPERIENCE:
http://www.snatcher.co.uk/

Sem comentários: